post-title Angústia da separação, o que é? http://i2.wp.com/www.drdiegobiella.com.br/wp-content/uploads/2016/07/medo-criana-ausncia-me_A.jpg?fit=650%2C300 2016-07-25 13:19:33 yes no Postado por

Angústia da separação, o que é?

Sim ,isso acontece, e não é um período fácil, verdade seja dita. Mas, apesar de muito cansativo, é um momento em que o bebê precisará da sua ajuda para sentir-se amparado e seguro novamente. Passo para independência A criança que você levou em seu ventre por 9 meses, mesmo após o nascimento, ainda parece uma […]

Postado por

Sim ,isso acontece, e não é um período fácil, verdade seja dita. Mas, apesar de muito cansativo, é um momento em que o bebê precisará da sua ajuda para sentir-se amparado e seguro novamente.

Passo para independência

A criança que você levou em seu ventre por 9 meses, mesmo após o nascimento, ainda parece uma parte de você, certo? É uma relação simbiótica, cujo vínculo íntimo e inviolável se forma por vários fatores, inclusive o aleitamento materno também contribui para que um vínculo íntimo e inviolável se crie.

Mas depois de 8 meses de idade, ou até um pouco antes, seu bebê se descobre como um indivíduo independente e vive esta forma de “consciência” com muita angústia.

tears in baby eyes embraced mother

Choro e desespero

Este estágio marca o início de um processo de separação entre a mãe e o bebê. O bebê grita, chora, esperneia cada vez que sua mãe se afasta dele. Não suporta perdê-la de vista e até acorda várias vezes durante a noite com evidente agitação, chegando a até chorar dormindo.

A angústia desse processo de desidentificação com a mãe, que o leva a descobrir que não é uma extensão dela, aparece em seus sonhos, perturbando-o e provocando o choro. Os temores são tão assustadores para ele que é difícil fazer com que durma tranquilamente.

Como acalmá-lo?

A fase de angústia, embora seja, obviamente, um processo difícil, é uma fase inevitável e indispensável para o desenvolvimento do bebê. É importante entender que os medos são uma parte normal do seu desenvolvimento psicológico e que não pode ser impedida de acontecer.

Alguns jogos, entretanto, podem ajudar o pequeno a superar um pouco a sua ansiedade. Uma brincadeira muito eficaz é se esconder atrás de algo, aparecer e então desaparecer, dizendo: “Mamãe não está”, “Mamãe está”.

Este simples jogo serve para que ele entenda que, mesmo que se neste momento sua mãe não está lá, sempre vai voltar. Outra maneira de fazer com que ele compreenda que o que se perde pode ser recuperado é jogar objetos longe – obviamente, ele joga e a mãe que os recolhe, né?

Você também deve conversar com o bebê, explicando o que está fazendo: “Mamãe vai até a cozinha e já volta”. Se precisar dar alguma saída mais longa, procure deixar uma peça de roupa com o seu cheiro por perto.

Evite permanecer muito tempo longe e fique por perto sempre que ele mostrar ser necessário. Deixá-lo chorar é cruel e desnecessário. Dê a seu filho o colo e a segurança que ele precisa. Logo essa fase passa e tudo voltará ao normal.

Quanto tempo dura?

Quando o bebê aprender a engatinhar e a se mover por conta própria, a angústia começa a se dissipar. O novo mundo ao seu redor parece tão incrível e atraente que seu entusiasmo para explorá-lo torna mais interessante a ideia de se tornar um ser independente.

Paciência, esta fase tem um fim. Enquanto isso, dê carinho para que supere este período sentindo-se amparado pela pessoa mais importante de sua vida: sua mãe.

Fonte: http://disneybabble.uol.com.br/

Deixo as formalidades de lado e me apresento em algumas palavras:

Sou Diego Biella, ainda criança depois de sonhar em ser jogador de futebol, aliás como todo menino, resolvi que seria médico. Me formei na Universidade de Alfenas e logo me encantei pelos choros, risos e pela dificuldade de uma consulta pediátrica. Quando a criança está doente mas não sabe falar o que sente, a febre aparece sem nenhum outro sintoma e após um tratamento bem sucedido o sorriso sincero e inocente, pra mim é a melhor das recompensas.

Cometários