post-title Doenças de verão mais comuns nas crianças http://i0.wp.com/www.drdiegobiella.com.br/wp-content/uploads/2017/01/crianças.jpeg?fit=640%2C289 2017-01-13 14:13:52 yes no Postado por

Doenças de verão mais comuns nas crianças

A estação mais quente do ano traz consigo, além das altas temperaturas e umidade, uma série de fatores que propiciam as chamadas doenças de verão. Por isso, é preciso ficar atento aos cuidados com as crianças, que são mais propensas a contraírem essas enfermidades. Veja abaixo as principais delas, mais comuns nas crianças. Dores de […]

Postado por

A estação mais quente do ano traz consigo, além das altas temperaturas e umidade, uma série de fatores que propiciam as chamadas doenças de verão. Por isso, é preciso ficar atento aos cuidados com as crianças, que são mais propensas a contraírem essas enfermidades. Veja abaixo as principais delas, mais comuns nas crianças.

Dores de garganta: amigdalite e faringite.

A amigdalite é a inflamação das amígdalas e a faringite é a inflamação da faringe. As duas doenças têm como principal sintoma a dor de garganta. Para evitá-las, é recomendável tomar cuidado com bebidas muito geladas: O ideal é tomar pausadamente e, se estiver muito gelado, intercalar com líquidos à temperatura ambiente. Além disso, é indicado evitar mudanças bruscas de temperaturas, como entrar em ambientes com ar condicionado muito gelado. Muito cuidado quando a criança ficar pedindo um sorvete atrás do outro, pois a garganta pode sofrer muito com isso. Procure dar intervalos de, no mínimo, uma hora entre um sorvete e outro.

Otites externas

As otites externas são ocasionadas pelo contato durante muito tempo com a água, seja de piscina ou praia. Assim sendo, o canal do ouvido fica úmido, facilitando a entrada de bactérias e a instalação da infecção. Muitas vezes, a entrada da água gera uma diminuição da audição pela dissolução de cera ou de descamações da pele dos ouvidos. É comum que as pessoas fiquem traumatizando a região com hastes de algodão, chegando até a machucar a pele e piorando mais ainda a situação.
Por isso, o ideal é não deixar a criança ficar muito tempo na água, além de nunca usar hastes de algodão dentro dos ouvidos. É muito importante também levar a criança para uma consulta com um médico otorrinolaringologista antes do período de verão, se houver a previsão de uso de piscina ou praia. Assim, o médico irá verificar se existe alguma alteração no canal do ouvido que facilite a retenção de água e então a inflamação. E isso vale também para os adultos.

Diarreia

As infecções intestinais são bastante comuns nesta época do ano pela ingestão de alimentos contaminados, especialmente com bactérias. Isto ocorre, tanto pela higienização e manipulação inadequada dos alimentos, quanto devido ao armazenamento em temperatura ambiente, que favorece o desenvolvimento e crescimento de bactérias no calor.
Para evitar uma reação do organismo, como a diarreia, recomenda-se ingerir apenas produtos de onde saiba a procedência e lavar sempre as mãos, talheres e pratos.

Desidratação

O calor leva a uma perda muito intensa de líquidos do corpo, especialmente através da transpiração. Geralmente, as pessoas acabam esquecendo de tomar líquidos e fazendo isso somente quando sentem sede, oque é errado. A sede é um pedido que o corpo faz quando já está um pouco desidratado. Então, o ideal é tomar líquidos antes de ter sede, ou seja, o tempo todo.
Outra recomendação importante é oferecer líquidos de todas as formas para as crianças maiores de seis meses ( até o sexto mês de vida, aleitamento materno exclusivo) e também para os idosos, uma vez que estes já têm um reflexo diminuído de sede e não se mobilizam para tomá-los.
Outra forma importante é usar os líquidos que os alimentos têm, ingerindo muitas frutas e verduras e legumes.

Insolação

A insolação pode ser um quadro grave e gerar febres e mal-estar. Por isso, deve-se evitar a exposição ao sol entre as 11 e as 16 horas. A hidratação constante ajuda muito. Além disso, é indicado tomar banhos frios periódicos para diminuir a temperatura do corpo.

Micoses de pele

As micoses de pele são mais comuns nesta época do ano pelo fato de que a umidade da transpiração favorece o crescimento dos fungos. São comuns especialmente nos pés. Mas, também podem ocorrer em outras áreas do corpo, como na virilha. O ideal é não usar sapatos fechados por períodos prolongados e optar por roupas mais leves. A higiene dos pés e virilha deve ser redobrada, sendo necessário secar bem as regiões, especialmente entre os dedos dos pés.

Brotoejas na pele

As brotoejas são manchas e nódulos vermelhos na pele do corpo todo ou em uma região delimitada, que podem levar a coceiras e ardor na pele. Elas ocorrem devido ao calor intenso, junto com obstrução da drenagem livre das glândulas de suor. O ideal é que o bebê e a criança fiquem bastante à vontade no calor intenso, com poucas roupas e que sejam bem leves. As compressas frias na pele ajudam muito a aliviar os sintomas, assim como banhos frios.
Além dessas doenças de verão comuns em crianças, vale ressaltar a dengue. Como se sabe, o mosquito Aedes aegypti se desenvolve em águas paradas e, com as chuvas da estação, sua proliferação é intensa. Por isso, evitar de todas as formas o acúmulo de água em recipientes diversos. Procure ainda usar telas de proteção em janelas, aplicar repelentes e prefira roupas compridas, desde que leves.
Fonte: vivomaissaudavel.com.br
Dr. Jamal Azzam – otorrinolaringologista

Deixo as formalidades de lado e me apresento em algumas palavras:

Sou Diego Biella, ainda criança depois de sonhar em ser jogador de futebol, aliás como todo menino, resolvi que seria médico. Me formei na Universidade de Alfenas e logo me encantei pelos choros, risos e pela dificuldade de uma consulta pediátrica. Quando a criança está doente mas não sabe falar o que sente, a febre aparece sem nenhum outro sintoma e após um tratamento bem sucedido o sorriso sincero e inocente, pra mim é a melhor das recompensas.

Cometários